quarta-feira, 9 de julho de 2008

Wall E - Disney no melhor sentido da expressão


Quem me conhece deve saber o quanto estava empolgado com esse filme desde a primeira vez que vi o teaser na TV. A premissa do filme do robozinho me cativou a primeira vista.
Ontem, finalmente consegui ir ao cinema assistir a mais nova animação da Disney Pixar e o filme conseguiu superar as minhas melhores expectativas (que já eram suficientemente altas).

O filme conta a história de Wall E, um robozinho que está na terra a cerca de 700 anos limpando a sujeira deixada pela humanidade que foi morar no espaço. Depois de tanto tempo, Wall.E desenvolve um pequeno “defeito”, uma personalidade. A vida solitária do robozinho muda quando conhece Eva, uma sonda enviada a terra pra tentar encontrar algum tipo de vida vegetal. Os dois ficam amigos, mas Eva “adormece” após acha a planta. Wall e resolve então partir junto com a nave que leva Eva.

A planta encontrada por Eva é na verdade o sinal que os humanos precisavam pra voltar a terra, mas os robôs resolvem que ainda não é a hora de isso acontecer, Wall E e Eva então se aventuram pra conseguir ajudar a humanidade.

Embora o filme tenha pouquíssimos diálogos, já que os robozinhos não são falantes como os outros animais, e carros da Disney, aproximando mais ainda o filme de uma possível realidade, ele consegue prender a atenção do expectador por 1 hora e meia sem parar, e ser atrativo para qualquer idade (o que é especialidade da Pixar aliás, embora ela não tenha conseguido acertar a mão nos últimos filmes)

O filme consegue ainda criticar de forma sutil vários comportamentos humanos como o descaso com a natureza, a obesidade, e o fechamento social no mundo virtual, isso tudo sem perder o encantamento que só a Disney consegue ter, como nos bons tempos de “O rei leão”.

A Disney que nos últimos anos vinha perdendo espaço pra Dreamworks que tinha conseguido mais sucesso nas suas animações (Madagascar; A era do gelo), volta com tudo com Wall E. A forma como conseguiram humanizar os robôs sem colocar bocas e torná-los caricatos, e ainda nos fazem emocionar com os sentimentos do robozinho é simplesmente genial!
Wall E é um dos melhores filmes do ano até agora, se não o melhor, e é Disney no melhor sentido da expressão.


Assista o trailer:

6 comentários:

Rich disse...

O filme deve ser bom mesmo, quero logo vê-lo :D

Cintia disse...

Hmmm... não estou certa que me convenceu a assisti-lo. Sabe porque, Fê? Entendi que o robô ganha uma "personalidade" sozinho, limpando a sujeira da humanidade... enquanto eu acredito que uma das coisas que define o ser humano e suas peculiaridades é o convívio social... mas pode ser que eu tenha entendido errado e não seja bem isso que acontece no filme...

Vamos esperar, assistirei alguns filmes por aqui e depois vou ao cinema assistir Wall-E se houver oportunidade!!!

Mas me parece uma ótima revisão do filme...
Beijo,
Cintia

Rich disse...

*Aplausos* hauhauhauhauhauha

Felipe F. disse...

Cintia o robô adiquire a personalidade sozinho, mas com os achados humanos que encontra no lixo.
o filme é legalll

Obrigado pelo elogio.

Criei o blog ... disse...

Assisti hoje.
Fantástico.
A parceria conseguiu acertar de novo, mostrando que aprendeu, e muito, com os desenhos anteriores. Evolução impressionante!!

Melhor do ano..até agora.

Giovane C. Rezende disse...

quero ver esse filme!
fato!!!! uahuahuahuah